Negociações climáticas de Paris: “Seis anos depois, a alteração climática está a matar os peixes, a inundar os nossos territórios”

Na véspera da cimeira de Copenhaga de 2009, informámos para o facto de que muitas famílias eram ameaçadas pela alteração climática em todo o mundo. Neste momento, à medida que nos aproximamos da cimeira de Paris, muitos dos seus piores receios estão a concretizar-se

São a esperança da Humanidade para o futuro, mas cada uma delas enfrenta um futuro cada vez mais sombrio e incerto. Nascidas nos quatro cantos do mundo, estas crianças vieram ao mundo nas semanas que seguiram a conferência climática de Copenhaga, em dezembro de 2009.

Na altura, o Observer descreveu a vida destas crianças, enquanto as suas famílias lutavam para lidar com o impacto da alteração climática.

Agora, antes da cimeira climática de Paris no final do mês, voltámos a reunir-nos com aquelas crianças e mostramos como estas viveram com as consequências do fracasso da cimeira de Copenhaga de 2009 em alcançar um acordo que limitasse as emissões de gases com efeito estufa das nações. O aquecimento global continuou e as secas propagaram-se. Ao mesmo tempo, o nível do mar continua a subir e os glaciares estão a encolher, enquanto a comida está a tornar-se cada vez mais escassa para muitas pessoas.

O mundo está novamente numa encruzilhada. Em Paris, será pedido aos nossos líderes que cheguem novamente a um acordo que limite as emissões de carbono das fábricas e veículos que utilizem combustíveis fósseis. Será pedido a cada nação que apresente propostas para reduzir a sua emissão de dióxido de carbono, para que haja a possibilidade de limitar o aquecimento global a um aumento de 2 °C das temperaturas experienciadas na época pré-industrial.

Caso sejam bem-sucedidos, as esperanças para a próxima geração – cujas vidas são descritas nestes relatórios, recolhidos pela instituição de beneficência católica Cafod – terão um impulso bem-vindo.

No entanto, caso os nossos líderes voltem a fracassar, as vidas sombrias descritas nestas páginas estas destinadas a tornar-se piores.

Denislania da Silva, Brasil

A bebé de Elisa da Silva, que nasceu pouco antes da cimeira climática de Copenhaga de 2009, ainda não tinha sido registada quando o nosso primeiro relatório foi publicado. Hoje, com seis anos, Denislania da Silva, frequenta a escola, brinca com os seus cinco irmãos e irmãs e quer um dia mais tarde ser professora.

Contudo, a vida do povo indígena Macuxi continua a ser complicada, embora recentemente tenham surgido motivos de esperança para que os Macuxi possam sobreviver nos seus territórios ameaçados nas redondezas de Barro, no norte de Roraima, perto da fronteira com a Venezuela.

Em 2009, o Supremo Tribunal do Brasil decidiu a favor dos Macuxi na sua batalha contra os agricultores que queriam transformar os pântanos da região – onde os homens caçam e pescam – em plantações de arroz. Foi decretado que a terra indígena deveria continuar a ser um território único, contínuo, enquanto os ocupantes ilegais deveriam abandonar a região.

“Os brancos costumavam ocupar a nossa terra e não nos deixavam pescar ou andar nos nossos campos, tinham cercas em todo o lado”, recorda Elisa. “Hoje, podemos andar à vontade.”

O desenvolvimento é encorajante, embora os Macuxi continuem a enfrentar um futuro incerto, uma vez que a área está agora a ser afetada pelos efeitos da alteração climática. “Tenho seis filhos em casa e preocupo-me muito com o facto de não ter comida suficiente para eles, especialmente quando acordam de manhã e não há nada”, diz. “Penso ‘Meu Deus, não tenho nada para dar às crianças’ e é nesse momento que alguém me oferece trabalho que me permite comprar comida para elas.”

Enquanto Elisa trabalha, o marido, Denanson, caça e pesca com os outros homens da comunidade. Em comparação com os tempos de antigamente, as coisas melhoraram muito, acrescenta ela.

“No meu tempo, não havia transportes. Hoje, temos autocarros. Também não tínhamos torneiras para encher as nossas garrafas de água e colocá-las no frigorífico. Costumava ter sempre a mão arranhada de ralar mandioca. Atualmente, temos um moinho elétrico e não me canso por ter de utilizar um tipiti [uma espécie de prensa]. Estou sempre a relembrar as crianças disto.”

No entanto, outros desenvolvimentos não são tão bem-vindos. Roraima faz fronteira com a região da Amazónia do Brasil, uma das regiões mais sensíveis em termos ambientais a nível mundial. Cerca de 40% das florestas tropicais que restam a nível mundial crescem aqui, embora a ameaça da desflorestação, causada pela subida das temperaturas e a propagação da agricultura, continue a ser uma grande preocupação.

“O tempo mudou muito”, diz Elisa. “Está cada vez mais seco e não parece existir uma diferença entre o verão e o inverno: o tempo tornou-se constantemente seco. Já não é como antigamente, quando havia uma estação de chuva e o verão. Não há dúvida de que as estações mudaram. Hoje, a nossa rede de água está a secar e temos dificuldade em mantê-la.

“O rio costumava ser abundante, mas de repente secou. O peixe que costumávamos apanhar desapareceu. Mesmo quando só há peixe podre, as pessoas compram-no. Os nossos animais selvagens também estão a fugir, tudo por causa da seca. Às vezes penso se Deus nos quer matar com a seca.”

Olomaina Mutonka, Quénia

Noomirisho Mutonka y Olomaina.
Noomirisho Mutonka y Olomaina. Photograph: David Mutua/Cafod

Em 2009, a família de Mutonka tinha acabado de celebrar o nascimento do seu filho, Olomaina. Na altura, tinham receio do futuro: as secas estavam a aumentar e o gado estava a morrer. Desde então, esses receios confirmaram-se. Das 284 cabeças de gado que tinham nos últimos seis anos, 271 morreram. Durante o último ano não choveu na região e a família deita-se muitas vezes sem comer. A mãe de Olomaina, Noomirisho Mutonka, teme o pior.

“Se a seca continuar, todos os nossos animais vão morrer e ficaremos sem nada. Não teremos dinheiro para pagar as propinas dos nossos filhos. Isto fará com que deixem de ir à escola, embora sejam o futuro desta família. É deles que dependeremos um dia. Se tiverem uma escolarização, conseguirão um emprego e sustentarão a família. Além disso, adoram a escola. São muito inteligentes.”

Noomirisho faz parte do povo Masai e vive perto da cidade de Kajiado, a sul de Nairobi. As secas nesta parte do Quénia costumavam ocorrer a cada três anos, mas nas últimas décadas a sua frequência e duração aumentaram. Mais de 80% dos Masai na região de Magadi, no sul do Quénia, perderam gado devido ao aumento das secas.

Espera-se que até 2020 mais de 75 milhões de pessoas sofram devido à escassez de água no este de África, à medida que o aquecimento assume um controlo inexorável. Como consequência, a quantidade de terra que ainda dá para ser cultivada também diminuirá para metade, segundo o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas.

“No passado, chovia de abril a junho e em dezembro, por isso as nossas barragens nunca secavam”, diz Noomirisho. “Hoje, pode estar sem chover durante dois anos. Durante esse tempo os nossos animais ficam macilentos e morrem.”

Noomirisho acorda por volta das 5 da manhã para preparar o pequeno-almoço para os filhos antes de levar o gado e as cabras a pastar. A cada dois dias, faz uma viagem de seis horas, ida e volta, para ir buscar água com um burro, onde leva 30 litros em dois recipientes. “No dia em que vou buscar água, não posso levar o gado a pastar, pois a viagem demora seis horas. Quando levo o gado a pastar, normalmente tenho de ir para longe, devido às condições de seca do terreno.”

A principal fonte fica numa pedreira abandonada que contém água muito salgada. “É tudo o que temos agora. O rio Olkejuado secou há muito tempo, por isso, não temos outro local para ir buscar água. É isto o que temos para beber.”

Fretelina de Oliveira, Timor-Leste

Há seis anos, Joana e Armando de Oliveira, que vivem na aldeia de Au-Hun na costa norte de Timor-Leste, celebravam o nascimento da filha, Fretelina. Era a terceira filha do casal. A vida deles já era complicada na altura, mas piorou à medida que o clima se deteriorou, deixando o casal com receio pelos seus filhos.

“A minha preocupação é que estou a envelhecer, se eu morrer, quem tomará conta dos meus filhos, quem os sustentará?”, diz Armando.

Joana, Armando y Fretelina de Oliveira.
Joana, Armando y Fretelina de Oliveira. Photograph: Januario Soares/Caritas Australia

Em 2009, a ilha foi afetada por secas periódicas e, por vezes, os poços secavam. A produção de milho foi, várias vezes, fortemente afetada. Infelizmente, desde então as coisas só pioraram.

“A comunidade fala sobre a alteração climática”, diz Armando, que trabalha como segurança na escola profissional das redondezas. “Há seis anos o clima era melhor, normal e não tão quente como agora. Está muito quente e este calor está a ter um impacto nas nossas vidas, nomeadamente na dos meus filhos, que não conseguem dormir bem.”

A família depende dos pais de Joana para abrigo. “Comecei a construir a minha própria casa, mas não tenho dinheiro suficiente para continuar”, diz Armando. “Na verdade, às vezes não tomámos o pequeno-almoço ou almoçamos, apenas jantamos.”

Na época seca, a vida é tolerável. No entanto, as coisas mudam no período de chuva, que vai de novembro a maio. “É horrível pois o telhado tem fendas e a água entra. A parede é feita de tecido de fibra e, se chove, é muito difícil arranjarmos comida.”

A comunidade nas redondezas de Au-Hun está dependente dos locais que cultivam a sua própria comida, gerindo o gado e assegurando água. Não é fácil. Para começar, tanto a água como a eletricidade são imprevisíveis. “Agora o Governo quer cobrar-nos o fornecimento de água limpa e eletricidade, mas não temos meios para pagar”, diz Armando.

As fracas colheitas afetam a resistência da família a doenças, diminui o número de gado e reduz o acesso a serviços básicos como a educação e os cuidados de saúde. Dos três filhos de Armando, apenas Fretelina continua a andar na escola. “Espero que os meus filhos tenham um futuro melhor e que vão para a escola”, diz.

Segundo os cientistas climáticos, as temperaturas deverão aumentar entre 0,88 °C e 3,68 °C até 2070. Ao mesmo tempo, os regimes de pluviosidade serão perturbados e as secas serão muito mais frequentes. As previsões são sombrias, embora Armando tenha esperanças de que a comunidade acabará por prevalecer. “A vida na minha comunidade envolve ajudar os outros. Às vezes há conflitos na vida familiar, mas tal como nos problemas comunitários entre jovens, conseguimos resolver os problemas.”

“Estou a envelhecer e a ficar sem forças”, diz. Tenho problemas respiratórios. Afetam-me sobretudo no verão, devido à subida das temperaturas. Mas para ser um puxador de riquexó é preciso ser-se forte. Se não somos suficientemente fortes, não ganhamos dinheiro.”

Casado, com cinco filhas e um filho, incluindo Maria, que nasceu em 2009, Mallik teme sobretudo pela sua família. “Quero que tenham estudos. Quero vê-los a ir para a universidade e a obter empregos bem pagos. Não quero que se tornem puxadores de riquexó. Se algo me acontecer, quem é que os vai sustentar ou pagar as propinas? Não estou a ver mais ninguém. A vida é muito dura.”

Mallik ganha entre 3 e 4 euros por dia. “É mesmo difícil sustentar uma família de sete com este rendimento”, diz. “Não me recordo da última vez que comprei carne para a minha família e sinto-me mal quando não consigo comprar fruta para os meus filhos. Sei que precisam dela.”

Maria Mallik, Bangladesh

Maria Mallik y Majeda.
Maria Mallik y Majeda. Photograph: Anik Rahman/Cafod

Tayab e a mulher, Majeda Begum, vivem com os filhos em Mostortona, no distrito de Barguna do Bangladesh, extremamente afetado pela subida do nível do mar como consequência do aquecimento global. Os níveis elevados de salinidade afetam a produtividade do solo, a agricultura e a vegetação. A água potável está poluída. Além disso, a região tem sido devastada por fortes ciclones, cada vez mais frequentes, que provocam marés de tempestade e destroem casas. Cada vez mais pessoas estão a emigrar para a cidade e a erosão toma conta da terra.

Em 2009, a situação era grave e apenas piorou com o passar dos anos. “Todos na comunidade sabem que a alteração climática é agora uma grande ameaça. Estão todos fartos de falar disso. Somos pobres, por isso não podemos fazer nada.

“O rio Pyra fica a cerca de dois quilómetros da minha casa e devido à alteração climática o nível da água está a subir de ano para ano. Nunca sabemos quando é que à noite vamos nadar, em vez de dormir na nossa cama”, diz Mallik. “A subida da temperatura é outra ameaça que não pode ser contrariada. Resumindo, a minha vida está cheia de ameaças. Não sei o que vai acontecer a seguir.”

Esta preocupação também está a afetar os seus filhos, acredita. “Acho que está a dificultar o fluxo natural das suas vidas e a sua educação. Com a idade deles, costumava brincar o dia todo no campo. Mas os meus filhos passam o tempo todo a pensar na melhor forma de lidar com a alteração climática. Isto não é uma infância adequada.”

Translation: Rita Azevedo/VoxEurop

Robin McKie

The GuardianTramp

Related Content

Article image
Paris climate talks: ‘Six years on, climate change is killing fish, flooding our fields’
On the eve of the 2009 Copenhagen summit, we reported on families threatened by climate change around the world. Now, as the Paris summit nears, many of their worst fears are being realised

Robin McKie Science editor

22, Nov, 2015 @12:04 AM

Article image
Copenhagen summit: How climate change will shape these lives
The fate of five babies, born on different continents, will be dominated by the shifting weather patterns their parents are starting to confront, writes Robin McKie

Robin McKie

06, Dec, 2009 @12:05 AM

Article image
Which countries are doing the most to stop dangerous global warming?
In November, nearly 200 countries meet in Paris for UN talks to agree a new climate deal. Find out below how their pledges - known as Intended Nationally Determined Contributions or INDCs - compare

Matt Osborn, Troy Griggs, Will Franklin, Caelainn Barr , Adam Vaughan, Arthur Neslen, Justin McCurry, Shaun Walker, Suzanne Goldenberg, Lenore Taylor, Jonathan Watts, Jennifer Duggan, Jason Burke, Emma Howard, John Vidal, Jo Tuckman

16, Oct, 2015 @8:43 AM

Article image
Felipe Calderón: Los países en desarrollo no deberías ser visto como un solo bloque en conversaciones sobre el clima
El expresidente de México afirma que los intereses de los países en desarrollo son marcadamente divergentes a menudo

Fiona Harvey, París

14, Dec, 2015 @2:30 PM

Article image
Los jóvenes activistas del cambio climático a seguir durante la cumbre de la ONU en París
Algunos son estudiantes y otros trabajan como periodistas o como coordinadores comunitarios, pero todos impulsan el debate antes de la cumbre climática

John Vidal

10, Dec, 2015 @12:42 PM

Article image
Christiana Figueres: la mujer con la misión de salvar el mundo del calentamiento global
La secretaria de la Convención Marco de las Naciones Unidas sobre el Cambio Climático está segura de que la cumbre de París puede hacer historia y generar un acuerdo crucial para limitar las futuras emisiones de carbono. Pero el éxito depende de su función clave

Fiona Harvey

03, Dec, 2015 @5:52 PM

Article image
Vad kan världen lära av Växjö, självutnämnd som Europas grönaste stad?
1991 blev Växjö i södra Sverige först i världen med att gå ut med målet att bli fossilbränslefri. Hur många framsteg har då gjorts, och kan Växjö vara en modell även för större städer?

Terry Slavin

30, Nov, 2015 @3:25 PM

Article image
From Miami to Shanghai: 3C of warming will leave world cities below sea level
An elevated level of climate change would lock in irreversible sea-level rises affecting hundreds of millions of people, Guardian data analysis shows

Jonathan Watts

03, Nov, 2017 @6:48 AM

Article image
Failing our forests: in two years we’ve lost enough trees to cover Spain
Fire. Oil palm. Cattle. Soy. Rubber. Wood. New data from Global Forest Watch shows that forest destruction is on the rise globally, in spite of a slate of pledges and commitments.

Jeremy Hance

22, Dec, 2017 @1:16 PM

Article image
Major powers pledge $20bn for green energy research
The vow boosts a parallel initiative by global business leaders including Mark Zuckerberg and Ratan Tata

Suzanne Goldenberg in Washington, Fiona Harvey and John Vidal in Paris

30, Nov, 2015 @12:01 AM